Páginas

terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

Mineração movimenta R$ 164 milhões em 2018 e aumenta mais de 460% em uma década no RN.



O setor da mineração movimentou R$ 164,7 milhões em operações no RN, ao longo de 2018. O valor ainda é baixo na comparação com outros estados brasileiros, porém é mais de cinco vezes maior que o registrado 10 anos atrás, em 2009, quando as operações potiguares somavam R$ 29,3 milhões. Foram 461% de aumento.

Ao longo do ano, o estado recolheu R$ 2,75 milhões, cerca de 2% do total, em Compensação Financeira pela Exploração Mineral (CFEM) - uma espécie de royalty pela atividade. Os dados foram colhidos pelo G1 no site da Agência Nacional de Mineração, na manhã desta segunda-feira (4). Em 2009, esse montante era de R$ 596,2 mil.

Apesar do crescimento na operação no estado, o valor arrecadado foi menor desde 2014.

Por mais que muitas vezes não seja lembrado como um produto fruto de minério, o produto que gera maior receita no estado é a água mineral, cujas operações somaram R$ 556,8 mil no ano passado. Em seguida, vem o calcário, com R$ 545,7 mil. Veja abaixo os 10 produtos minerais com maiores operações no RN.

1.   Água Mineral - R$ 667.749,58
2.   Calcário - R$ 647.614,92
3.   Granito - R$ 402.111,55
4.   Scheelita - R$ 308.507,24
5.   Tungstênio - R$ 179.753,67
6.   Xisto - R$ 145.845,20
7.   Feldspato - R$ 120.970,33
8.   Calcário Dolomítico - R$ 67.347,41
9.   Caulim - R$ 46.433,36
10. Gabro - R$ 24.600,04

Sem comentários:

Publicar um comentário