Páginas

quarta-feira, 6 de janeiro de 2021

Onix e HB20 lideram em 2020, mas Jeep e Gol dominaram as vendas diretas.

Mesmo com queda de 45% em relação a 2019, Onix manteve larga vantagem na ponta. Top-10 escancara diferenças no perfil de varejo e venda direta

Por Eduardo Passos

Calor, promessas de entrar na academia e Onix campeão de vendas do ano anterior. Poucas coisas representam tão bem o mês de janeiro no Brasil quanto esses fatos. E os dados mais recentes da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores só confirmaram essa tendência, ao menos em relação ao modelo da Chevrolet.

Nem mesmo problemas como os incêndios em circunstâncias polêmicas minaram o sucesso do hatch, que vendeu 135.351 ao longo de 2020. Esse número é 45% menor que as vendas de 2019, uma queda muito acima dos 21,6% registrados pelo mercado.

Entretanto, a margem na liderança foi grande: o Onix vendeu 54% a mais que o segundo colocado HB20. A variante sedã Onix Plus completou o pódio, com 83.392 novas unidades comercializadas.

No top-15, também há modelos como Fiat Strada, Ford Ka, Fiat Argo e o Renault Kwid. Um destaque é a dobradinha da Jeep, que emplacou Renegade e Compass com mais de 77% das vendas ocorrendo a frotistas, locadoras, PcDs e motoristas de táxi, entre outros habilitados à venda direta.

O mesmo fenômeno ocorreu com o Gol: 70% de suas unidades saíram nessa modalidade, garantindo o sexto lugar no ranking geral. Em vendas a pessoas físicas, o clássico modelo é apenas 15º, atrás de modelos como Creta, Corolla, Tracker e Hilux.

Picapes abrem alas para novos motores

Seja por apego ou falta de variedade, o consumidor brasileiro segue optando por motores entre 1.0 e 2.0. Mas as picapes estão acelerando a mudança nesse cenário.

No caso dos automóveis leves, de 2,2 milhões de unidades vendidas, cerca de 894 mil (39,56%) trazem o ‘motor mil’, 1,3 milhão (59,01%) vêm com motores entre 1.1 e 2.0 e só 32 mil (1,43%) vêm com opções além do 2.0. E vale lembrar que nunca a oferta de pequenos motores turbo foi tão grande no Brasil.

Já nas picapes, o cenário é inverso: 1,62% da frota conta com motor 1.0 (são apenas os pequenos caminhões chineses) e 61,39% daí até os 2.0. Comuns em picapes, os motores maiores respondem por 43,79% das vendas em 2020.


Sem comentários:

Publicar um comentário